Cultura

Cineasta critica fechamento do Cine Glauber Rocha: 'decisão abominável do Itaú'

[Cineasta critica fechamento do Cine Glauber Rocha: 'decisão abominável do Itaú']
16 de Setembro de 2021 às 15:45 Por: Pedro Moraes/ GOVBA Por: Léo Sousa

O cineasta Pola Ribeiro, diretor do Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM), criticou em entrevista ao BNews a decisão divulgada nesta quinta-feira (16) pelo Itaú de fechar o Cine Glauber Rocha, no Centro Histórico de Salvador.

Para Ribeiro, a medida anunciada pelo banco é "abominável". No anúncio, o Itaú Cultural afirma que "está reorganizando sua estratégia de difusão de audiovisual no país" e que a nova diretriz "prevê a intensificação de atuação em plataforma digital, para ampliar o alcance e acesso, e a revisão da rede física de salas de exibição".

Leia também: Deputado propõe boicote ao Itaú após banco anunciar fechamento do Cine Glauber Rocha

"Essa ideia de que simplesmente as plataformas de streaming vão resolver as questões de consumo de audiovisual, de cinema, isso é uma balela, na verdade. Porque a gente não pode simplesmente abrir mão das salas de cinema, como não pode abrir mão dos espaços culturais. [Segundo] uma pesquisa que o Datafolha fez recentemente sobre o consumo de cultura, as pessoas estão preferindo ir a museus e a exposições, porque é um espaço onde encontram com pessoas. A sociedade está ferida e está num momento recuperando uma sanidade, de segurança de poder ir pra rua e querendo encontrar as pessoas. Então o cinema é um consumo de cinema que não é só o filme. É o encontro das pessoas. E as pessoas estarem convivendo no Centro da cidade", afirma o cineasta.

"Então é muito triste que o Itaú tenha esse pensamento tão tecnológico assim, que simplesmente resolve as questões de ação cultural como uma nova tecnologia que chega e que joga purpurina nos olhos. Acho a atitude do Itaú péssima", acrescenta.

Pola defende ainda que a sociedade se mobilize e o poder público tome medidas para que a capital baiana não perca o espaço.

"A gente está falando do Centro Histórico de Salvador, onde várias ações estão sendo feitas. Investimentos como o Hotel Fasano, como o Hotel Fera, recuperação da Rua Chile, recuperação de espaços e casarões que estão se transformando em museus por parte da prefeitura, os museus do governo do estado abrindo. Então eu acho que não é hora de se perder nada no Centro Histórico de Salvador. É hora da sociedade se mobilizar, é hora da prefeitura pensar, do governo do estado pensar formas de ocupação desse espaço", sugere.

Leia mais: Itaú anuncia fechamento do Cine Glauber Rocha e Astrid oferece "publi" para que banco mantenha estrutura

"Que se faça um levantamento dos custos. Que chame o empresariado. Que chame [o diretor do Glauber Rocha] Cláudio Marques pra sentar pra conversar, pra ver o que é que precisa de fato. Demanda não falta. Só tem bar aberto. Os bares estão cheios. Tem que ter uma condução cultural, um indicativo. E aí senta governo, senta prefeitura, senta os empresários e senta as pessoas interessadas no Centro Histórico de Salvador, o coração dessa cidade. Salvador não pode mais ficar sendo ferida com a perda dos seus espaços de convivência, dos seus espaços culturais", complementou.

O anúncio do fechamento do cinema localizado na Praça Castro Alves também foi lamentado pelo secretário de Cultura e Turismo de Salvador, Fábio Mota.

"Recebi com muita tristeza esse anúncio, principalmente nesse momento de retomada das atividades. Acho que foi precipitação do Itaú, que é uma instituição que lucra tanto e ganha muito dinheiro, e fechar assim de repente", criticou o titular da Secult, em entrevista ao BNews.

Classificação Indicativa: Livre


Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Compartilhar