Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Eleições

Panaroma Eleições: Rodrigo Pereira diz que não tem “ilusão de ser eleito” e diz que PCO faz campanha para denunciar “golpe que existe no país

[Panaroma Eleições: Rodrigo Pereira diz que não tem “ilusão de ser eleito” e diz que PCO faz campanha para denunciar “golpe que existe no país]
23 de Outubro de 2020 às 16:31 Por: Pedro Vilas Boas e Marcio Smith

O candidato a prefeito de Salvador, Rodrigo Pereira (PCO), acusou o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), de utilizar a pandemia do novo coronavírus para favorecer seu candidato a sucessão e vice-prefeito, Bruno Reis (DEM). Pereira teceu critícas ao auxílio municipal de R$270 e afirmou acreditar que os números da pandemia do novo coronavírus são manipulados para "atender interesses". 

O candidato do PCO destacou que não espera ser eleito e que a legenda utiliza o período eleitoral como forma de divulgação do seu programa de governo para populção.

Pereira foi o quinto candidato à prefeitura de Salvador entrevistado no rograma Panorama Eleições 2020, em formato de live no perfil do BNews no Instagram.A ordem das entrevistas foi definida através de sorteio com as assessorias dos candidatos. Todas as lives serão realizadas às 17h e terão duração de, no máximo 30 minutos.

Leia a entrevista:

BNews: O plano de governo do PCO não é específico para Salvador, é para todas as cidades que o partido tenha representante. Explique

Rodrigo Pereira: Exatamente, nós somos um partido nacional. Embora as eleições demarquem o território das cidades, nós avaliamos que os problemas vividos pela população, em dimensões diferentes, são os mesmos. Problema de transporte, infraestrutura, educação e saúde, de forma geral, são os mesmos em dimensões diferentes. 

Nós do PCO participamos da eleição para apresentar esse programa, que é para todas as cidades do Brasil. A gente tem um problema sempre com a Justiça Eleitoral por conta disso, eles acham que nós temos que criar um programa para cada cidade, nós sempre apresentamos um programa. O nosso programa é o mesmo, a eleição é para divulgarmos nosso programa que é único nacionalmente.

BNews: Há particularidades em cada cidade, Salvador sofre com a questão do desemprego. Como o plano do PCO irá atuar nessa questão? Não faria mais sentido ter uma proposta específica para Salvador?

Rodrigo Pereira: O desemprego abate todas cidades em níveis diferentes, e nós entendemos isso. Mas entendemos que não devemos dissertar sobre a questão. Quem resolve o desemprego são as ações federais. Ações que ajudam os municípios. Para nós, é uma política nacional. Nós não queremos fazer um processo de mentir para as pessoas, nossa campanha é sempre dialogar com os trabalhadores falando as verdades sobre os problemas.

Nós [PCO] temos eixos nacionais, na eleição passada foi denunciar o golpe [referindo-se ao impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT)]; nesta eleição é o Fora Bolsonaro e o anulamento de todos os processos contra o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT), para que isso leve Lula a ser candidato. O problema do emprego não é um problema que Salvador vai resolver, é uma questão que necessita de apoio do Governo Federal. 

Por exemplo, a questão dos empregos temporários em Salvador. Salvador é uma cidade que vive de serviços, mas tem um ciclo de três meses [dezembro, janeiro e fevereiro] que vive intensamente do Turismo. Até nisso, depende do Governo Federal. Por que o Governo vai ajudar ? Transporte, seja aéreo ou terrestre, se não houver uma política nacional de incentivo e ajuda para o deslocamento terá problemas para as pessoas chegarem em Salvador. Se não houver uma política nacional sobre a questão da hotelaria, não vai resolver o problema de desemprego em Salvador.

A atuação municipal nessa questão é bem limitada. Salvador tem uma previsão de orçamento de R$8 bilhões. Isso quando a gente reparte entre as secretarias, não é nada. Salvador vive diretamente de recursos federais.

BNews: Certo, mas o que o prefeito poderia fazer nesta questão?

Rodrigo Pereira: Qualquer candidato que falar que vai resolver está mentindo. Não tem condição. Salvador viveu um boom, nos governos Lula, de construção civil. Hoje tem vários prédios que estão parados e inacabados, existia um incentivo que acabou. Na nossa opinião, só podemos resolver isso tendo um governo, minimamente, progressista. Salvador depende de incentivo do Governo Federal. 

BNews: Então caso seja eleito e com Bolsonaro presidente, o senhor não atuaria na cidade?

Rodrigo Pereira: É inviável. Nós temos toda clareza e não plantamos ilusões para ninguém, a eleição é uma farsa e antidemocrática. Houve o primeiro debate da Band que não fomos convidados e nós denunciamos isso, terá o debate da TVE que nós não fomos convidados e estamos denunciando. A eleição é uma fraude e nossa participação é para denunciar esse processo, nós não temos ilusão e perspectiva de sermos eleitos. Sendo candidato, nosso papel é denunciar todo golpe que existe em nosso país. Nós não temos ilusão [de sermos eleitos], nossa campanha é para denunciar. 

Salvador virou uma pandemia de troca de lâmpadas de LED, é mentira. A prefeitura está trocando lâmpada em lugares que não tem necessidade. Local que já é iluminado, é uma pandemia. Tem condição de resolver os problemas? Derrubando Bolsonaro.

BNews: A pesquisa Ibope divulgada em outubro, mostrou que o que mais preocupa a população de Salvador é a Saúde. O que é mais grave, em sua avaliação, que Salvador tem nessa área e como pretende resolver este problema?

Rodrigo Pereira: A eleição no município tem relação com a situação que vivemos nacionalmente. Houve um golpe em 2016, houveram reformas sem consulta popular e a PEC do Teto de Gastos. Na Saúde, eu vou destacar o seguinte, desde janeiro era para população ter feito o recadastramento no SUS. Com a desculpa da pandemia, o prefeito disse que esqueceu, agora Salvador está correndo para fazer o recadastramento.

Salvador com toda sua extensão tem, apenas, 41 ambulâncias da Samu. Essas ambulâncias precisam de dinheiro do governo federal, a prefeitura não tem condição de comprar uma ambulância toda equipada, ela só recebe. O prefeito recebe a ambulância equipada e ainda precisa de subsídios para manter o serviço. 

Nossa opinião é que tem que derrubar esse governo, nós estamos destacando os problemas centrais, essa é a nossa eleição. O prefeito diz que fez várias Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), mas é mentira. Essas UPAs foram feitas pelo governo do estado, e a prefeitura administra, mas ainda assim precisa de subsídios dos governos Estadual e Federal.

BNews: O senhor irá prorrogar o auxílio muncipal de R$270, caso eleito?

Rodrigo Pereira: Esse auxílio é um auxílio miséria, assim como a redução do auxílio de R$600 para R$300. Qualquer cidadão que saiba matemática simples, sabe que R$600 não dava, R$300 menos ainda. 

O prefeito fez malandragem. De acordo com dados da prefeitura, o auxílio municipal foi garantido para 10 mil pessoas, o que é uma merreca. O dinheiro do auxílio é do povo. Neto está fazendo malandragem eleitoral para garantir os votos. Para alguns que estão morrendo de fome, esse dinheiro pode ser muita coisa. Mas ele não resolve a miséria das pessoas, é um auxílio miséria.

BNews: O senhor aumentaria o valor, então? Mesmo sabendo das dificuldades financeiras?

Rodrigo Pereira: Claro, nossa proposta é de um salário de R$5 mil e o auxílio seria de, no mínimo, um salário mínimo. Por isso que nós não vamos fazer demagogia, esse é um problema que só o governo Federal resolve. Para isso, nós precisamos derrubar Bolsonaro. A prefeitura não tem capacidade econômica de garantir um auxílio. Nossa política é de quem deve garantir o auxílio é o governo Federal.

É um auxílio miséria que o prefeito usou para fazer politicagem. O prefeito utilizou a pandemia para fazer politicagem e divulgar seu candidato. Esse auxílio é de miséria, quem tem que resolver é o governo. Ele [Bolsonaro] deveria garantir para todos os trabalhadores, enquanto não houver uma vacina, um auxílio que seja de um salário mínimo. Por isso que para nós, é necessário fazer uma mobilização para derrubar esse governo fascista.

A nossa campanha tem como intuito mobilizar a classe trabalhadora para lutar contra este governo que está aí.  Nós não vamos fazer malandragem eleitoral e nem demagogia, precisa derrubar esse governo fascista para garantir qualidade de vida para as pessoas.

Eu, individualmente, não tenho o poder de derrubar Bolsonaro. O PCO desde o fim do segundo turno de 2018 está pedindo a saída de Bolsonaro. Nós dissemos que era uma eleição sob golpe. Ela não foi organizada para eleger Bolsonaro, o candidato da burguesia era Alckmin [Geraldo Alckmin (PSDB), candidato à presidência em 2018]. Como Alckmin não tinha uma base social, Bolsonaro é que tinha, claro que é uma base social fascista, elegeu Bolsonaro. 

Nós já estávamos dizendo desde o segundo turno que Bolsonaro iria levar o país à miséria. Quando teve a pandemia, essa miséria foi aprofundada. O prefeito não vai ter poderes para resolver os problemas de Salvador, quem falar que vai, está mentindo. Nossa eleição é de denúncia a isso.

BNews: Caso eleito, qual o planejamento para a volta às aulas?

Rodrigo Pereira: Só tem condição de voltar as aulas, não só em Salvador, mas no Brasil, quando tiver uma vacina. Só a vacina pode resolver o problema, pois caso as aulas voltem [sem vacina], você estará expondo as crianças ao risco.

O prefeito está dizendo aí que aumentou a taxa de ocupação dos leitos de pediatria de covid-19. É um negócio estranho. Como a taxa das crianças aumenta e a taxa dos adultos está reduzindo? 

BNews: Por qual motivo é estranho esta relação na taxa de ocupação?

Rodrigo Pereira: É estranho porque as crianças passam a ser contaminadas assim de repente. O prefeito alegou que é pela questão das praias e das saídas, mas como só a criança se contaminou? Não contaminou o pai, a mãe, a avó e a tia? É estranho, as crianças não vão aos lugares sozinhas.

Desativou o Hospital de Campanha da Fonte Nova, aí aparece uma "segunda onda" que está atingindo crianças. Eu tenho muita cautela nesses dados, eu acho que é tudo manipulado. Eu acho que é feito um processo para manipular os dados e garantir os interesses. 

Os golpistas estão fazendo de tudo para garantir a eleição, não é à toa que os debates foram cancelados. Isso retrata o quanto essa eleição é antidemocrática, eu estou aqui denunciando os debates que não aconteceram e que não iríamos participar, mas estou aqui denunciando.

Como o governador se coloca como democrático, ele deveria garantir a participação de todos os candidatos no debate da TVE, que é uma emissora pública.

BNews: Declarações finais 

Rodrigo Pereira: Eu vou convidar a todos a entrar numa campanha conosco no Fora Bolsonaro e na anulação de todos os processos contra o ex-presidente Lula, para que a população julgue Lula nas urnas. 

Os fascistas aqui estão atacando a gente, os ratos saíram do esgoto, Bolsonaro é um rato. Bolsonaro é inimigo dos trabalhadores, estamos aqui iniciando denunciando todo o desmonte das empresas que estão sendo privatizadas.

ACM Neto é aliado de Bolsonaro, ele é do DEM. O presidente da Câmara dos Deputados é do DEM [Rodrigo Maia], do Senado [Davi Alcolumbre] é do DEM, o ministro Onyx [Onyx Lorenzoni, ministro da Cidadania] é do DEM. Ele participa do governo. É fascista, mas é um fascista adestrado.

O vice-governador [João Leão (PP)] é o cara do agronegócio da Bahia e tem partido de Esquerda que resolveu compor com ele. A eleição para nós é um momento de convidar a classe trabalhadora a se manifestar contra esse governo fascista. Vote 29.

Assista abaixo a entrevista completa com o candidato à prefeitura Rodrigo Pereira (PCO):

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso